O teste da orelhinha é um dos exames realizados nos bebês logo nos primeiros dias de vida para a identificação de alterações na audição da criança, já que a capacidade de ouvir está associada a um melhor desenvolvimento cognitivo, social, emocional e linguístico ao longo da vida.

Mas o que é o teste da orelhinha? Quais bebês devem realizá-lo? O que fazer quando o resultado do teste está alterado? Vamos responder a essas e outras perguntas ao longo deste post! Confira!

O que é o teste da orelhinha?

O teste da orelhinha é um exame de triagem neonatal, assim como o teste do coraçãozinho e o teste do pezinho, e serve para a identificação precoce de deficiências auditivas.

Como esse teste funciona?

O teste da orelhinha funciona por meio da detecção de emissões otoacústicas evocadas. Basicamente são colocados aparelhinhos semelhantes a fones de ouvido nas orelhinhas dos bebês que emitem estímulos sonoros e detectam a percepção desses sons pela cóclea, uma estrutura presente dentro do ouvido interno e fundamental para a audição.

O exame completo dura menos de 10 minutos, é indolor e deve ser realizado com a criança dormindo.

Quais bebês devem realizar o teste da orelhinha?

Todos os bebês devem realizar o teste da orelhinha, disponível gratuitamente em todos os hospitais e maternidades, como determinado pela lei 12.303/2010.

Por que o teste da orelhinha é importante?

As deficiências auditivas afetam cerca de 1-3 crianças a cada 1.000 nascidos vivos, mas é bem mais frequente em bebês de grupo de risco (peso de nascimento menor do que 1,5 kg, prematuridade, malformação auricular, infecções intrauterinas, síndromes genéticas e história familiar de deficiência auditiva).

Sem o diagnóstico precoce, uma criança com deficiência auditiva pode ter seu desenvolvimento, sua aprendizagem e sua capacidade de comunicação comprometidos durante toda a vida. Assim, o teste da orelhinha é essencial para que essas crianças sejam abordadas por uma equipe multiprofissional ao longo da infância e para que a deficiência auditiva não gere consequências maiores.

Quando realizar esse exame?

Idealmente o teste da orelhinha deve ser realizado no 2º ou no 3º dia de vida, ainda dentro da maternidade na qual a criança nasceu. Quando isso não é possível, contudo, o exame pode ser realizado até o 3º mês de vida como triagem ou depois dessa idade quando há a suspeita clínica de alguma alteração auditiva.

O que fazer quando o teste dá alterado?

Por ser um exame de triagem, o teste da orelhinha é muito sensível a qualquer alteração mínima, mas incapaz de dizer se essa alteração representa alguma doença específica e como deve ser feito o tratamento da criança.

Dessa forma, qualquer alteração no teste da orelhinha deve ser seguida por uma avaliação otológica e audiológica completa e por um acompanhamento rigoroso do desenvolvimento auditivo da criança.

Como há diferentes graus e causas de deficiência auditiva, é importante também que as possibilidades de tratamento sejam analisadas de forma individualizada pelo otorrinolaringologista e pelo fonoaudiólogo.

Entendeu tudo sobre o teste da orelhinha? Então curta a nossa página no Facebook e fique por dentro de outras dicas como essas!