Quem tem perda auditiva pode se perguntar sobre a situação dos surdos no mercado de trabalho. As dúvidas, no geral, estão relacionadas à dificuldade de conseguir uma vaga ou mesmo à adaptação ao serviço.

É claro que a contratação de uma pessoa com perda auditiva, seja qual for o grau, normalmente envolve certas burocracias. Entretanto, a porcentagem de pessoas com registro em carteira é grande entre esse público, o que significa que a empregabilidade é alta.

Certo, conseguir uma colocação pode não ser tão difícil, mas e a adaptação, como fica? Será que essas pessoas podem realmente desempenhar qualquer tipo de atividade?

O aparelho auditivo ou implante coclear permite melhor qualidade de vida às pessoas que têm perda auditiva. Isso se estende também ao ambiente de trabalho. Quer saber como? Continue lendo! Listamos alguns dos benefícios trazidos pelo uso das próteses em relação ao trabalho.

Desenvolvimento

Tudo começa na infância: assim que descoberta a perda auditiva, o início do tratamento é de suma necessidade. O médico fará uma avaliação da criança para descobrir se trata-se de um caso de uso de aparelho ou se um implante coclear seria mais eficaz.

É importante aderir à intervenção indicada. Assim, quanto mais cedo a criança puder “ouvir o mundo” através do aparelho ou implante, mais ela se aproximará das crianças com audição normal em termos de desenvolvimento.

Uma criança que, apesar da perda auditiva, teve a oportunidade de se desenvolver como e com as outras se tornará um adulto com as mesmas capacidades intelectuais e cognitivas dos demais. Não precisamos nem dizer o quanto isso o ajudará no mercado de trabalho.

Audição

Embora pareça muito óbvio, um outro aspecto importante do uso do aparelho no mercado de trabalho diz respeito à própria audição. Como poderia um profissional desempenhar corretamente suas tarefas sem ouvir o som do equipamento ou o que diz o colega ao lado?

O aparelho auditivo ou implante coclear confere à pessoa a capacidade de ouvir. Assim sendo, elas podem atuar praticamente da mesma forma que pessoas com audição normal.

Qualidade de vida

Quem usa próteses ganha qualidade de vida em relação às pessoas que apresentam perda auditiva mas não fazem o tratamento adequado. O aparelho ou implante permite que a pessoa interaja e leve uma vida social normal.

Isso aumenta os níveis de satisfação em termos gerais, visto que uma pessoa que tem acesso total ao mundo “cheio de sons” no qual vivemos tende a ser mais feliz que outra que vive no silêncio.

Isso reflete diretamente no desempenho no trabalho. Uma pessoa feliz e satisfeita tende a ser mais produtiva. É claro que a insatisfação também está ligada a outros aspectos que nada têm a ver com limitações físicas.

Quem usa aparelho auditivo pode até sentir-se insatisfeito, mas a surdez certamente não será o motivo.

Percebeu a importância da vivência do ambiente de trabalho para os surdos e o espaço que esse público vem conquistando? Se você gostou do post, tem alguma dúvida ou observação, deixe seu comentário abaixo e compartilhe conosco a sua opinião!