O implante coclear é a melhor solução para quem sofre de surdez severa ou profunda e não obtém resultados com os aparelhos auditivos convencionais. Nesses casos, a cirurgia pode ser uma forma de tratamento da perda de audição.

Devido ao alto nível de tecnologia envolvida nesse produto — que pode ser implantado em pessoas de todas as idades —, ele também é conhecido como ouvido biônico.

Quer entender o que é o implante coclear, como funciona e como é feita a cirurgia? Responderemos essas e outras dúvidas a seguir!

O que é o implante coclear ou ouvido biônico?

O implante coclear é um dispositivo colocado cirurgicamente no ouvido, permitindo que pessoas com surdez severa e/ou profunda consigam ouvir os sons do ambiente e a fala.

O aparelho é formado por um sistema interno e um externo. O interno fica dentro do ouvido do paciente, na cóclea, e é formado por um receptor e um arranjo de eletrodos. A parte externa é colocada sob a pele do lado de fora da cabeça, logo atrás da orelha, e é formada por outro receptor externo. Essa parte externa se comunica ainda com uma antena, que se acopla a ela por meio de um ímã.

O principal objetivo do implante coclear é o de “substituir” a função das células ciliadas do ouvido, que ficam localizadas na cóclea. As células ciliadas são os receptores sensoriais do sistema auditivo, que recebem os sinais das ondas sonoras e os transmitem para o sistema nervoso, após serem transformados em sinais elétricos. Elas são as responsáveis por estimular o nervo auditivo, que leva a informação sonora até o córtex auditivo.

Como o implante coclear funciona?

O ouvido biônico estimula o nervo auditivo diretamente, não dependendo da transmissão de som pelo ouvido externo ou pelas células do ouvido interno. A parte externa é composta de um processador de fala, uma antena e um microfone que captam os sons ambientes e os transmitem para a parte interna do implante coclear.

A parte interna do implante capta essas informações e, por meio de eletrodos, estimula eletricamente o nervo auditivo, permitindo que o indivíduo ouça os sons. Isso é possível pois o receptor do sistema interno converte os códigos recebidos em sinais eletrônicos, liberando os impulsos elétricos.

Isso faz com que a audição do indivíduo fique normal?

Depende: cada indivíduo responde ao implante coclear de forma diferente. Os fatores que interferem no resultado são o tempo de surdez, as causas da surdez, se o paciente tem uma linguagem estabelecida, sua idade e a realização de terapia fonoaudiológica.

De forma geral, o indivíduo será capaz de perceber os sons do ambiente, mas isso não garante que o cérebro será capaz de interpretar aqueles sons como fala, por exemplo. Além disso, no início, o cérebro ainda precisa se acostumar com o som do ouvido biônico e, por isso, é difícil para o usuário diferenciar os tons e a voz de cada pessoa.

Quando o implante coclear é indicado?

O implante coclear é indicado para adultos e crianças com perda auditiva neurossensorial bilateral de grau severo a profundo, principalmente os pacientes que não tiveram bons resultados ou resultado nenhum com os aparelhos auditivos convencionais.

A perda auditiva neurossensorial é aquela que surge em consequência da deterioração de estruturas do ouvido interno, como as células ciliadas da cóclea ou os condutores nervosos.

As pessoas com esse tipo de surdez não conseguem mais captar as vibrações mecânicas dos sons e transformá-las em impulsos elétricos, mesmo quando os sons são muito amplificados.

As principais indicações para seu uso podem ser divididas em dois grupos:

  • pacientes pré-linguais: crianças de 1 a 5 com perda auditiva neurossensorial bilateral de grau severo a profundo, que não se beneficiaram do uso de aparelhos auditivos;

  • pacientes pós-linguais: adultos e idosos com perda auditiva neurossensorial bilateral de grau severo a profundo que não se beneficiaram do uso de aparelhos auditivos.

Quais as vantagens do implante coclear?

Não há dúvida de que o estímulo sonoro gerado pelo implante é benéfico aos indivíduos que se submetem à cirurgia.

Além de melhorar os níveis de audição, o implante contribui para o desenvolvimento da linguagem e da fala, principalmente quando implantado em crianças e bebês que ainda estão aprendendo a linguagem. Dessa forma, ele é um importante aliada no desenvolvimento infantil.

As outras vantagens do implante incluem:

  • ajuda o indivíduo a ficar mais confiante para interagir com outras pessoas e se comunicar em diferentes meios da sociedade;

  • reduz o isolamento social associado à insegurança de se comunicar;

  • possibilidade de aparelhos com tecnologias avançadas, como dispositivo à prova d’água e conectividade com rádio e TV.

Como é a cirurgia de colocação do ouvido biônico?

Trata-se de um procedimento relativamente simples em que o paciente é internado na véspera e tem alta 24h após a cirurgia. Durante o procedimento, raspa-se o cabelo de uma pequena região atrás do ouvido para que seja possível colocar os eletrodos por meio de um pequeno corte na pele e no crânio.

A cirurgia costuma durar cerca de 2h e é feita sob anestesia geral. Os pontos são retirados em duas semanas e a ativação do aparelho, geralmente, é feita um mês depois pelo fonoaudiólogo, que continuará acompanhando o paciente durante o uso do implante coclear.

Quando a cirurgia para colocação do implante coclear deve ser feita?

Em crianças que nasceram com perda auditiva e nunca receberam nenhum estímulo sonoro, o ideal  é que o implante seja feito o mais cedo possível, em especial até os 3 anos de idade. Afinal, é nessa fase que o cérebro está mais receptivo ao aprendizado da linguagem, e os resultados alcançados são mais próximos ao natural.

Se a pessoa perdeu a audição ao longo da vida, depois de aprender a linguagem, o fator mais importante é o tempo de surdez. A pessoa pode fazer o implante com qualquer idade, porém, quanto menor o tempo de surdez, melhores serão os resultados.

Como funciona após a cirurgia?

Normalmente, o paciente recebe alta no dia seguinte, depois da cirurgia. Os cuidados pós-cirúrgicos envolvem não lavar a cabeça por 3 dias, dormir com o lado da cirurgia para cima e retirar os pontos após 15 dias. Normalmente, o implante é ativado entre 30 a 40 dias após a cirurgia.

Os sons percebidos pelo paciente após a ativação do implante coclear variam de acordo com a experiência sonora da pessoa, isto é, envolve fatores como estágio do desenvolvimento da linguagem, idade e tempo de surdez.

No início, pode ser difícil identificar os sons do ambiente, o que melhora com o tempo. Todo o processo é acompanhado por equipe multidisciplinar (médico otorrinolaringologista, fonoaudiólogo, psicólogo) e é realizada terapia auditiva para auxiliar na adaptação.

O implante coclear ou ouvido biônico é uma tecnologia que pode mudar e melhorar a qualidade de vida de quem tem perda auditiva.

Se você ainda tem alguma dúvida sobre o assunto, deixe um comentário no post, pois responderemos a todos!