De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 360 milhões de pessoas no mundo sofrem de perda auditiva. Cientistas acreditam que o uso de células tronco no tratamento da surdez poderá levar, em alguns anos, à uma forma de tratamento do problema.

Existem, em média, 15 mil células ciliadas em cada orelha, que são responsáveis por transmitir o som do ouvido ao cérebro. A perda auditiva ocorre pela morte dessas células, devido ao envelhecimento, exposição a ruído excessivo, certos medicamentos, doenças congênitas, entre outros. Ou, no caso da surdez hereditária, as células ciliadas são defeituosas.

A nova terapia seria capaz de ajudar no tratamento de ambos os casos. Explicaremos, neste texto, como as células tronco podem ser usadas para substituir as células ciliadas que não funcionam. Acompanhe!

O que são células tronco?

Também chamadas de células estaminais, são aquelas que ainda não se especializaram, possuem a capacidade de se diferenciar em diversos tipos celulares. Crescem nos embriões e, à medida que se dividem, ajudam na formação do bebê. Nos adultos, atuam como células de reparo.

Podemos dizer que são células iniciais que podem ser moldadas e transformadas em qualquer célula do corpo. Dessa maneira, cientistas estudam uma forma de induzir a diferenciação de células tronco para células cocleares, restaurando a função normal das células ciliadas.

Como foi a descoberta?

A partir de uma semelhança entre células tronco do ouvido interno e células estaminais do intestino de adultos — ambas expressam a proteína Lgr5 —, cientistas vislumbraram a capacidade de regeneração dessas células. Isso porque, a cada 8 dias, a mucosa intestinal é regenerada e, dessa forma, poderiam explorar essa mesma capacidade para tentar criar células com cílios.

Como são realizados os estudos?

Ao longos dos últimos anos, vêm sendo realizados diversos estudos envolvendo a pesquisa de células tronco e o tratamento da surdez. Dentre eles, podemos destacar a pesquisa da Dra. Sarah Boddy, da Universidade de Shefield – na Inglaterra – e o trabalho dos pesquisadores da Universidade Juntendo, em Tóquio, no Japão. Ambos buscando a produção de células tronco cocleares. 

Mais recentemente, em pesquisa realizada no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), foram utilizadas células tronco de ratos que tinham a proteína em questão. Após tratadas com substâncias químicas específicas e fatores de crescimento, essas células deram origem a novas células ciliadas.

O mesmo estudo foi realizado a partir de tecido nervoso do ouvido de um homem de 40 anos, retirado durante uma cirurgia cerebral. E os resultados obtidos foram semelhantes, provando que o coquetel de moléculas também funciona nas células humanas.

A partir da criação dessas células tronco cocleares, o próximo passo é a injeção delas no ouvido interno.

O que esperar do futuro do tratamento da surdez?

Com base nas experiências, foi demonstrado que é possível duplicar o número de células ciliadas e, assim, recuperar a saúde da cóclea. Além disso, foi observado que, mesmo quando células da cóclea intacta sofreram danos, a terapia foi capaz de regenerar a capacidade coclear para níveis saudáveis.

Dessa forma, os estudos abrem portas para a criação de medicamentos para audição e, após a realização de estudos clínicos, pode significar mais uma forma de tratamento. A equipe do MIT, responsável por uma dessas pesquisas, espera que o tratamento seja de fácil aplicação, com medicamentos injetados no ouvido médio, que chegarão ao interno através da membrana.

No entanto, é importante dizer que se tratam de diversos estudos que estão sendo realizados em paralelo, e que o caminho é longo. Estima-se que o tratamento para surdez por meio da terapia com células cocleares não esteja disponível antes de 10 anos.

Você gostaria de dar seu parecer ou saber mais sobre o tratamento da surdez? Deixe seu comentário abaixo!