Ouvir bem não está relacionado apenas a captar os sons emitidos à sua volta. É por meio da audição que somos capazes de desenvolver também a linguagem e a fala.  Por isso, não é incomum que crianças que possuem perda auditiva ainda não diagnosticada sejam rotuladas como distraídas ou preguiçosas para se comunicar.

A importância da audição no desenvolvimento das crianças é tão grande que a ausência de estímulos nos primeiros anos de vida pode trazer uma série de problemas na aprendizagem e socialização, afetando os pequenos comportamental e emocionalmente.

O diagnóstico precoce de uma eventual perda auditiva é fundamental para que a criança não sofra prejuízos graves no desenvolvimento da linguagem. Para evitar que isso aconteça, é importante que os pais estejam constantemente atentos às reações dos pequenos.

De maneira geral, o aprendizado da linguagem e fala acontece dentro de certos parâmetros. Vamos conhecê-los melhor?

Do nascimento até os 3 meses

Nessa fase, a criança acorda com ruídos mais fortes e reage com sobressalto a sons muito altos ou repentinos, normalmente piscando ou arregalando os olhos. O bebê é capaz de reconhecer a voz da mãe e se acalma ao ouvi-la.

Nesses primeiros meses de vida, a linguagem é o choro: a criança o utiliza para sinalizar que precisa de algo e para quando é atendida. 

Entre 3 e 6 meses

O bebê começa a ficar mais atento aos ruídos e procura movimentar a cabeça na direção do som que está escutando. Além disso, a criança passa a reconhecer as mudanças de entonação na voz dos pais.

Lá pelos seis meses, o bebê aprende a atender pelo próprio nome e começa a emitir sons com um certo padrão e algum significado, além de gritar para mostrar-se satisfeito com o barulho que está produzindo.

Entre 6 e 9 meses

Essa é a etapa em que o bebê começa a achar graça em sons musicais e tenta dizer suas primeiras palavras, ainda que o resultado seja difícil de identificar. Além disso, ele já responde bem ao próprio nome e começa a entender alguns conceitos, como “tchau” e “não”.

Crianças dessa idade normalmente começam a acenar e resmungam quando contrariadas. É também nesse momento da vida que os bebês passam a imitar sons produzidos por adultos e animais.

A partir de 1 ano

Do primeiro ano de vida em diante, a criança forma um vocabulário básico, de 3 a 5 palavras. Além disso, ela é capaz de associar sons a objetos, apontando brinquedos e alimentos quando solicitado.

Nessa etapa, os pequenos passam a responder a comandos simples e a cumprir pequenas ordens se estimulados, como bater palmas e mandar beijos.

Dos 18 aos 24 meses

É nessa fase que o vocabulário se expande: a criança pode falar até 50 palavras, utilizando frases curtas para se expressar. A partir dessa idade, os pequenos já conseguem apontar para partes do corpo sem ajuda e começam a se referir a si próprios pelo nome.

Até os 2 anos, a maior parte das crianças aprendeu a se concentrar em histórias e músicas simples, e cerca de 50% do seu vocabulário já pode ser compreendido por pessoas que não têm contato com ela.

A partir dos 3 anos

Nessa idade, o desenvolvimento da linguagem se dá a passos gigantescos. O vocabulário passa a conter cerca de 500 palavras e ser compreendido por 80% dos estranhos.

É nessa etapa que a criança começa a entender alguns verbos e a fazer perguntas quando não compreende o que foi dito. Além disso, passa a usar cada vez mais a fala para expressar vontades, emoções e frustrações.

É importante ter em mente que essas informações são um apenas um referencial, já que cada criança tem seu próprio ritmo de desenvolvimento. No entanto, é preciso ficar atenta a atrasos muito significativos e, se for o caso, procurar um fonoaudiólogo de confiança.

Gostou de entender a importância da audição no desenvolvimento da criança? Então aproveite para conhecer 5 práticas que ajudam a proteger os ouvidos do seu filho!